Spectrum Gothic Poemas

Como também somos cultura, vamos de poemas 


E como também amo alguns poemas, Poemas Góticos.


Vida Maldita
  
Dor e solidão formam minha vida injusta
O que eu sou
Um ser maldito excluído da natureza e da sociedade
De minha família
Sem amigos
Sem alma
Sem conseqüências
Sem pensamentos
Sem responsabilidades
Sem impulsos
Sem amor
Sem coração
Sem vida;
Sou apenas mais uma pessoa num mundo injusto
Onde nada nem ninguém me entende
Minha família me despreza e me critica
Meus amigos são falsos
Até meu amigo imaginário me corrompe com suas mentiras sem fim
Sou apenas mais um brinquedo de dor
Um brinquedo sem utilidade
Minha doença emocional não é compreendida
Minha alma não é bem querida
Meus olhos são vazados de dor
Minha boca sangra e chora sem a doce morte
Que me deixou em prantos sem solução
Aqui estou
Aqui sou
Vermes me desejam
Abutres me esperam para o jantar
A terra, maldita terra me suga para si
E nada nem ninguém me entende além de um mísero boneco de pano
Que até parece ser muito feliz, mas é apenas sua boca mal desenhada
Mas ele também não tem ninguém para lhe confortar
Aqui nós dois estamos
Aqui nós dois morremos
Nessa vida injusta e maldita


Por: Willis Carmo


Vida Maldita

Dor e solidão formam minha vida injusta
O que eu sou
Um ser maldito excluído da natureza e da sociedade
De minha família
Sem amigos
Sem alma
Sem conseqüências
Sem pensamentos
Sem responsabilidades
Sem impulsos
Sem amor
Sem coração
Sem vida;
Sou apenas mais uma pessoa num mundo injusto
Onde nada nem ninguém me entende
Minha família me despreza e me critica
Meus amigos são falsos
Até meu amigo imaginário me corrompe com suas mentiras sem fim
Sou apenas mais um brinquedo de dor
Um brinquedo sem utilidade
Minha doença emocional não é compreendida
Minha alma não é bem querida
Meus olhos são vazados de dor
Minha boca sangra e chora sem a doce morte
Que me deixou em prantos sem solução
Aqui estou
Aqui sou
Vermes me desejam
Abutres me esperam para o jantar
A terra, maldita terra me suga para si
E nada nem ninguém me entende além de um mísero boneco de pano
Que até parece ser muito feliz, mas é apenas sua boca mal desenhada
Mas ele também não tem ninguém para lhe confortar
Aqui nós dois estamos
Aqui nós dois morremos
Nessa vida injusta e maldita

Por: Willis Carmo



Vazio

Talvez se eu pudesse te ouvir
se eu pudesse entender
e assim, achado o seu exemplo de perfeição
que se fecha em meio a tanta estupidez
tentando fazer com que você esteja acima
abaixando a cabeça, morrendo por dentro todo dia
o medo que sai dos meus olhos
não te fere, não te enfraquece
ilusão cega, dor e mentira
minha armadura contra a verdade diante de mim
contra esse vazio que me invade aos poucos
e caio em tristeza
escuridão
depois da tempestade...
desculpe se me falta tolerância
e meus sentimentos escondidos entre um cristal
uma flor sem cor que na penumbra da noite renasce de novo
Lembre-se, você me matou
e não há vencedores
e ela nasce de novo.

Por: Manoela Soares


0 comentários:

Postar um comentário