Silent Hill: Downpour



Se você não gostou dos últimos títulos da franquia Silent Hill não se preocupe, pois você não foi o único. Mas o que os fãs querem realmente saber é o motivo que leva um jogo, que crescia em popularidade a cada versão (pelo menos até seu quarto título), a cair em decadência na atual geração de consoles.
Talvez a explicação para esse problema seja alguns elementos que a Konami achou que já estivessem ultrapassados e, por isto, acabou reformulando a série em alguns quesitos como combate mais intenso e puzzles menos complexos. Porém a fórmula não deu certo e a empresa decidiu apostar em elementos dos primeiros games da série para desenvolver seu novo título.

Silent Hill 8 conta a história de Murphy Pendleton, um presidiário que, após sofrer um acidente com o ônibus que transportava outros presos, acaba escapando e fugindo para Silent Hill. Mas não é só o enredo que remete as origens do game, o terror psicológico, que ficou famoso no primeiro título da série, também será focado nesta nova versão.
Outros elementos mais recentes e que acabaram dando certo serão mantidos, como a interatividade com a lanterna. Os ambientes de Silent Hill 8 são extremamente escuros sendo necessário iluminar seu caminho e toda a parte do cenário a ser visualizada. Mas não custa lembrar que em determinadas situações, o melhor é utilizar o escuro como elemento a seu favor, fazendo com que muitos inimigos não te encontrem em meio ao breu.

O novo game não focará somente elementos antigos, algumas novidades também prometem aparecer, como um interessante sistema de combate no qual você poderá utilizar desde pequenos objetos como garrafas e faca até armas maiores como cadeiras e barras de ferro.
Mas se você nunca jogou Silent Hill antes não se preocupe, pois a Konami pretende utilizar toda essa combinação de nostalgia com novidades para que novos jogadores se interessem pelo clássico do terror. Torceremos para que não sejam apenas promessas, e que Silent Hill 8 tenha o mesmo sucesso dos primeiros títulos da série.



Uma das maiores surpresas da Konami reveladas durante a sua conferência antes do início da E3 foi a confirmação de que está trabalhando em coletâneas para algumas das suas principais franquias, como Metal Gear Solid, Zone of the Enders e Silent Hill.

Sobre esta última no entanto, não foram todos que se sentiram plenamente satisfeitos, já que além de incluir apenas o segundo e o terceiro capítulo da série de terror, a empresa anunciou que os jogos teriam uma nova dublagem, o que para muitos fãs, fará com que parte da magia dos games seja perdida.
A princípio imaginou-se que essa mudança aconteceria porque novos diálogos seriam incluídos, mas ao ser perguntado se emprestaria sua voz ao personagem James Sunderland, protagonista do Silent Hill 2, o ator Guy Chihi foi bastante duro com a desenvolvedora japonesa.

A Konami sabe que me deve resíduos por todos os usos não autorizados de minhas atuações para capturas de movimentos e dublagens. Parece que eles estão procurando evitar responsabilidades adicionais ao trocar as vozes na utilização de material para esse remake do Silent Hill 2. Contudo, se qualquer das minhas capturas de movimento aparecerem neste novo lançamento, a Konamiserá responsabilizada pela utilização não autorizada da minha atuação. Como a mãe do Forrest Gump disse, ‘Idiota é quem faz idiotice.’ Será muito melhor para todos se a Konamisimplesmente me fizer uma oferta razoável…”.
Em uma coletânea como essa, o ideal mesmo seria que as modificações viessem apenas na parte gráfica, com os títulos sendo adaptados para a tecnologia atual e que o máximo possível da obra original fosse mantido, mas será que essa alteração na dublagem será o suficiente para fazer com que os jogadores percam o interesse no Silent Hill HD Collection?

Desde que a Konami revelou o próximo capítulo da série Silent Hill (Downpour), os fãs tem tido alguns motivos para desconfiar do jogo. Além do desenvolvimento estar nas mãos da Vatra Games, estúdio checo formado por ex-integrante da Kuju Entertainment, e que no portifólio só tem o jogo Rush’n Attack: Ex-Patriot, eles também tiveram que aceitar a idéia de que pela primeira vez o compositor Akira Yamaoka não assinaria a trilha sonora de um título da franquia. 

Dono de um estilo singular, o nome do japonês praticamente virou sinônimo de Silent Hill. É fácil encontrarmos pessoas que defendem a idéia de que grande parte da atmosfera da série deve ser creditada ao excepcional trabalho de Yamaoka, mas após alguns desentendimentos com a Konami, ele decidiu deixar a companhia. 
Porém, para tentar amenizar os ânimos dos fãs, o diretor de design da Vatra, Brian Gomez, garantiu que não há motivos para preocupações e defendeu o responsável pela trilha do jogo, cujo trabalho pode ser conferido na série para TV Dexter. 

“Fiquei preocupado quando o perdemos, o que aconteceu bem no início do desenvolvimento do Downpour. Mas eu já era um grande fã doDexter, então fiquei feliz de termos fechado com o Daniel Licht. Ele é o mais próximo do Akira, mas ainda assim trará algo de novo para a série. 
Ainda que eu adoraria trabalhar com Akira, não acho que perderemos por não tê-lo no jogo.” 
Com versões para Xbox 360 e Playstation 3, teremos que esperar até o dia 25 de outubro para saber se eles conseguirão entregar um Silent Hill tão bom quantos os primeiros da franquia. 

O site de notícias, Examiner, gravou um vídeo de cinco minutos de Silent Hill: Downpour, utilizando sua cópia antecipada para análise. Devido aos muitos atrasos do jogo, marcado agora para o dia 13 de março, alguns sites já estão com versões jogáveis e liberando vídeos, porém evitando spoilers, para não estragar nenhuma surpresa.


Durante os 5 minutos de vídeo vemos o novo protagonista, Murphy Pendleton, andando um pouco pelas tenebrosas ruas de Silent Hill. Este capítulo se passa em uma área nunca antes vista nos jogos da série, a parte sudeste da cidade. Não há muita ação, mostrando mais exploração, mas chegamos a ver um dos monstros. O combate pede que o jogador traga consigo uma arma, mas fique atento ao seu desgaste. Após alguns golpes será necessário trocá-la por outra, ou mesmo utilizar seus próprios punhos. O rádio também retorna como um clássico elemento que avisa quando há perigo nos arredores.
Mas jogadores que não estiverem dispostos a se focarem no combate poderão ajustar o nível de dificuldade para acomodá-los. Silent Hill: Downpour trará níveis de dificuldades separados para os quebra-cabeças e para o combate, permitindo que você se foque apenas no que gosta.

O site britânico de jogos CVG apresentou um vídeo com os primeiros dez minutos do jogo Silent Hill: Downpour, da Konami. Durante este tempo, é mostrada a introdução do jogo, onde o protagonista Murphy Pendleton, um presidiário, realiza a sua transferência para uma penitenciária de segurança máxima.


Durante os momentos iniciais do jogo, o jogador começa a se familiarizar com os controles, ensinados em um tutorial onde o personagem principal enfrenta um homem indefeso. Durante a luta, a mecânica de coletar objetos do cenário para serem usados como armas é colocada em prática. Tal sistema aumenta a sensação de sobrevivência do jogador.




































0 comentários:

Postar um comentário