Cradle of Filth

Hoje teremos Mais biografias.. Premiado de hoje?

Cradle Of Filth

Cradle of Filth é uma das bandas que eu ouço de vez em quando.

Bem vejamos o que temos pra hoje ^^

A trajetória da banda londrina Cradle of Filth tem início nos primeiros anos da década de 90. Naquele momento, Daniel Davey era apenas um jovem que havia concluído os estudos e interessava-se por Metal.
No ano de 1991, Daniel reuniu John, Darren, Robin, Paul Ryan e Bem Ryan para dar início aos primeiros ensaios. A sonoridade ainda crua refletia as ambições daquele grupo de jovens londrinos. Assim nascia o Cradle of Filth.
Os primeiros trabalhos demo surgiram em pouco tempo. Em 1992 foi gravado Invoking The Unclean e The Black Goddess Rises; Orgiastic Pleasures no ano seguinte. Neste momento, Robin já não compunha a formação. Porém, Orgiastic Pleasures rendeu ao grupo uma oportunidade com a gravadora Tobstone Records. Entretanto, a saída de John impossibilitou que o contrato fosse fechado. Robin retorna à formação na condição de baixista e finalmente é gravada a demo intitulada Total Fucking Darkness.
Este trabalho proporcionou um contrato com a gravadora Cacophonous Records em 1994. No mesmo ano, o primeiro álbum foi gravado contando com a participação de novo integrante Paul Allender.


The Principle of Evil Made Flesh foi lançado em abril de 1994 e conseguiu uma repercussão muito acima da expectativa: 32 mil cópias vendidas. As treze faixas (sendo uma instrumental) trazem uma musicalidade crua e agressiva, muito próxima do que pode ser considerado Black Metal. Os integrantes adotaram nomes fictícios, vestiam-se e usavam maquiagem como um aspecto bastante soturno; por vezes satânico. As letras deste álbum traziam temas vampíricos e alusões à Elizabeth Bathory; provavelmente, fruto da obras de Baudelaire, Shelley e Byron, autores que Dani apreciou muito na adolescência.
Em 1995, os irmãos Ryan abandonam a formação e iniciam um novo projeto intitulado Blood Divine. O tecladista Damien e o guitarrista Stuart Anstis passam a integrar a banda. Ainda, uma apresentação live em Berlin rendeu ao grupo a primeira experiência ao vivo. No mesmo ano, o contrato com a gravadora é rompido e, em 1996, é lançado o último disco pela Cacophonous Records: Vempire or Dark Faerytales in Phallustein.
As seis músicas deste EP (incluindo uma reedição de The Forest Whispers My Name do trabalho anterior e a instrumental She Mourns a Lengthening Shadow) soam como uma continuidade de The Principle of Evil Made Flesh e ajudam a fortalecer a imagem Black Metal do Cradle of Filth.
No mesmo ano, a vocalista Sarah Jezybel passa a compor a formação enquanto Paul Allender deixa a banda e é substituído por Jared Dementer. Em seguida, é assinado um contrato com a gravadora Music For Nations enquanto o recém chegado Paul Allender saí do grupo e dá lugar à Gyan Pyres. Neste mesmo ano, seria lançado um dos álbuns mais impactantes da discografia do Cradle of Filth.
Dusk and Her Embrace traz onze faixas escritas por Dani Filth que exploram a temática vampírica com um apelo erótico bastante nítido. Os arranjos soam mais complexos e orquestrados. Foi através de Dusk and Her Embrace que o Cradle of Filth atingiu uma popularidade imensa e ganhou notoriedade entre a crítica musical européia e o grande público headbanger. Este trabalho também abriu as portas para as turnês internacionais e colocou o Cradle of Filth entre as grandes bandas do metal.
Em 1997 a banda apresentou-se em festivais e realizou uma turnê nos Estados Unidos. Em uma destas oportunidades, o baterista Nicholas chegou a ser detido pela polícia local por usar uma camisa anti-cristã, mas foi solto após fiança.
O tecladista Damien abandona a formação e passa a escrever para uma revista especializada em Metal. Lês Lector Smith é seu substituto iniciaram-se os preparativos para o novo trabalho com o produtor Jan Peter Genkel.
Cruelty and The Beast (frase de Nitzsche que originalmente é "There is no beast without cruelty" - "não existe besta sem crueldade") de 1998, é o título do terceiro álbum de estúdio. Lançado em diversas versões com regravações e remix, mantém a proposta e aborda a vida de Elizabeth Bathory – A condessa de Sangue. Além do belo trabalho gráfico do encarte, os destaques musicais são Beneath the Howling Stars e Desire in Violent Overture.
Cruelty and The Beast proporcionou à banda turnês por países como Rússia e Japão. As participações em coletâneas do gênero também fortaleceram sua popularidade. Ainda, manifestações anti-cristãs da banda, em entrevistas e shows, polemizaram sua imagem por um lado; por outro, contribuíram bastante para uma certa mitificação de uma proposta satânica. Ainda neste ano, foi lançado o EP Venus In Fear.
Novamente, em 1999, a formação da banda sofre alterações. Entre elas, a saída do baterista Nicholas alegando divergências pessoais (passando a integrar o Dimmu Borgir); sendo substituído por Adrian Erlandsson. Lector e Stuart também deixam a formação enquanto Paul Allender retorna.
O EP From the Cradle To Enslave é lançado no mesmo ano com seis faixas, sendo duas inéditas, dois covers (Anathema e Misfits) e duas regravações de Dusk And Her Embrace. Em seguida, é lançado vídeo PanDaemonAeon com videoclipes da faixa From The Cradle To Enslave em duas versões, sendo uma mais "suave" para exibição em emissoras de TV; além do making off deste clipe e quatro músicas gravadas ao vivo.
Martin Powell, ex-integrante do My Dying Bride junta-se ao Cradle of Filth em 2000. No mesmo ano, Dani Filth participa do filme Cradle Of Fear, produzido pelo diretor do videoclipe From The Cradle To Enslave. Finalmente, em 31 de outubro, é lançado o quarto álbum.
Midian traz onze músicas que recorrem aos riffs e às vocalizações agressivas de Dani. As letras continuam extensas e bem construídas. O álbum é prontamente aceito pelos fãs e a crítica classifica Midian como um dos mais sofisticados trabalhos daquele ano. Destaques para Death Magik For Adepts e Lord Abortion.
O ano de 2001 traz novas mudanças no Cradle of Filth. A banda deixa a gravadora Music for Nations e cria o próprio selo: Abracadaver. Robin Graves deixa o grupo alegando ter pouco tempo disponível para a família. Dave Pyrus (ex integrante do Anathema) é seu substituto.
No mesmo ano, o EP Bitter Suites to Succubi, já pela Abracadaver, é lançado trazendo faixas inéditas, além de regravações de discos anteriores e um cover do The Sisters of Mercy. No Time To Cry foi mais um trabalho promocional deste período. Em abril, uma apresentação é gravada e compilada no formato de CD/DVD e lançado posteriormente.
O ano seguinte foi muito importante para a carreira do Cradle of Filth. O contrato com a poderosa Sony abriu uma nova perspectiva de crescimento. A participação no festival Ozzfest-UK juntamente com Slayer, System Of A Down e Ozzy Osbourne colocou a banda novamente em evidência.
No mesmo ano, a ex gravadora "Music for Nations" lança um álbum do tipo "The Best of" intitulado Lovecraft & Witch Hearts trazendo os maiores sucessos dos discos anteriores e algumas versões raras. Infelizmente, mais uma vez, o line up é modificado: Gian Pyres deixa a banda.
Em 2003 foi lançado o primeiro trabalho pela Sony: Damnation and a Day: From Genesis To Nemesis. Mais uma vez, a temática conceitual é a tônica, abordando anjos, demônios e a criação. Neste trabalho, ao longo de dezessete faixas, a banda se apresenta com uma sonoridade mais polida; porém, mantendo a agressividade e característica. Em seguida a banda toca ao lado do Iron Maiden e se apresenta em festivais e turnês pela Europa e América do Norte. A faixa Mannequin do álbum mais recente ganha uma versão em videoclipe e Babalon A.D (So Glad For The Madness) é lançado também em videoclipe num DVD single.
Nymphetamine é o trabalho de 2004, lançado pelo próprio selo Abracadaver e se torna uma das mais poderosas referências de sua discografia e traz as participações de James Mcilroy (guitarrista recém chegado à banda) e Liv Kristine (ex vocalista do Theatre of Tragedy). O álbum duplo, contendo na totalidade 21 músicas, incluindo uma regravação do clássico Mr. Crowley de Ozzy Osbourne.
Em alguns momentos, este disco faz um resgate sonoro aos anos 80, combinando com a característica agressiva e poderosa que conduziu a carreira da banda. Os destaques são English Fire e Swansong For A Heaven.
O show de abril de 2005, em Paris, foi gravado e, no fim deste mesmo ano, foi lançado o DVD Peace Through Superior Firepower. Este DVD traz um documentário, entrevistas, videoclipes e as apresentações ao vivo da banda. Neste momento, já iniciam-se os preparativos para o próximo álbum. Assim, no ano seguinte, pela Roadrunner Records, é lançado o sétimo trabalho.
Thornography traz doze faixas que também resgatam uma atmosfera oitentista e pode ser considerado um dos trabalhos mais "pesados" de sua discografia. Sarah Jezebel e Ville Valo são os convidados nas faixas Under Huntress Moon e Byronic Man. Os destaques são I Am The Thorn e The Foetus Of A New Day Kicking.
Como de costume, o guitarrista Germs Warfare deixou a banda e foi substituído por Charles Hedger. Adrian Erlandesson também abandonou a formação após o término das gravações de Thornography. Na mesma época foi lançado o single Temptation. Em 2007 foi lançado uma edição de luxo do Thornography com o título Thornography-Harder Darker Faster contendo vídeos e algumas faixas extras. Ainda, um live duplo intitulado Eleven Burial Masses é lançado em maio.
No ano seguinte, ainda pela Roadrunner, é lançado em outubro o oitavo disco de estúdio do Cradle of Filth. Godspeed on the Devil's Thunder mantém a proposta conceitual e aborda a biografia do nobre francês Gilles de Rais que lutou ao lado de Joanna D’arc. A musicalidade não difere muito da discografia: guitarras pesadas, linhas de baixo contínuas e as vocalizações de Dani Filth confirmam mais um excelente trabalho; sem, no entanto, apresentar grandes novidades.
Nos anos seguintes, a banda deu continuidade às turnês ao lado de Moonspell e Gorgoroth e apresentações em festivais europeus. Em agosto de 2009 é lançado o videoclipe de The Death of Love. Poucos dias depois, no Bloodstock Open Air, em Derbyshire, Inglaterra, o guitarrista Paul Allender foi atingido por um objeto arremessado da platéia. O músico teve que receber atendimento médico e a apresentação foi interrompida em seguida. Em novembro de 2009, Allender publicou uma nota no website da banda comentando sobre o progresso dos trabalhos para o próximo álbum.
Desde os primeiros acordes e linhas de baixo, muitas histórias, músicas e músicos compuseram a trajetória do Cradle of Filth. Além dos trabalhos citados, a banda tem em sua discografia EP’s e singles, além de participações em coletâneas que enriquecem sua carreira. Agora, resta aos fãs do Cradle of Filth aguardarem por mais um lançamento e um capítulo de sua imensa história.

Bem quem quiser saber mais sobre a banda .. bate um google que você acha.
Espero que gostem da banda assim como eu gosteei ^^ 

Discografia->


  • Cradle of Filth - The Priciple of Evil Made Flesh [1994]
  • Cradle of Filth - Dusk And Her Embrace [1995]
  • Cradle of Filth - Vempire or Dark Faerytales in Phallustein [1996]
  • Cradle of Filth - Cruelty And the Beast [1998]
  • Cradle of Filth - From the Cradle to Enslave [1999]
  • Cradle of Filth - Midian [2000]
  • Cradle of Filth - Bitter Suites to Succubi [2001]
  • Cradle of Filth - Live Bait for the Dead [2002]
  • Cradle of Filth - Damnation and a Day [2003]
  • Cradle of Filth - Nymphetamine [2004]
  • Cradle of Filth - Lovecraft & Witch Hearts [2005]
  • Cradle of Filth - Thornography [2006]
  • Cradle of Filth - Eleven Burial Masses [2007]
  • Cradle of Filth - Godspeed on the Devil's Thunder [2008]
  • Cradle of Filth - Darkly, Darkly Venus Aversa [2010]

Bem, paro por aqui 



1 comentários: